Memórias de Verde, Silêncios de Azul

Poemas soltos, por Elsa Braz

sábado, outubro 08, 2016

Poema

Sabes
Onde mora o vento?
E o mar ?
O tempo?

Sabes
Onde mora a chuva
Que acaricia
Fortalece
Em cada instante
Que acontece?

Sabes
Onde mora o Amor
A Esperança
A Paz
A Bem-Aventurança?

Sabes
Onde mora o céu?

Tão simples ao olhar
Profundo ao sentir
Real quando acreditar.
Inicio
E Fim
De tudo o que existe.

O céu
Sabes onde mora?

Aqui
Ali
Tão longe...
E tão perto!...




segunda-feira, outubro 03, 2016

Parabéns, meu Amor


Nasceu
Lá no alto do monte
Sobranceiro aos penedos
Entre pinhais e arvoredos.

Com o céu
Do sol nascente
Manchado de sol poente
E um manto imenso de estrelas.

Cresceu
Com a voz do vento
Desfeito em brisa
Ou temporal
Igual,
Sempre igual.

Viveu
Na fé e na esperança
Na luta pela verdade
Pelo sonho, a igualdade
Homem de um só parecer.

Morreu.
Mas Sempre Presente.

Parabéns
Meu Amor.





sexta-feira, junho 17, 2016

Sempre presente



Sempre presente
Meu Amor
Na noite que tomba
Na madrugada que desponta
No vento que vai soprando
Na chuva que vai manchando
De arco-íris
Nossa espera.

Sempre presente
Meu Amor
No sonho da primavera.

Sempre presente
Sempre aguardando
A porta por abrir
A voz do teu sorrir
A estrada daquele olhar
Onde posso caminhar
E a mão estendida
Sem chegada nem partida.




sábado, outubro 31, 2015

POEMAS DE SILÊNCIO





POEMAS DE SILÊNCIO


Quando cheguei
O comboio já tinha partido.
Só restava o silêncio.

Uma estação
Vazia
De tudo
Abraços
Lenços a acenar
Lágrimas
Olhares que se perdem
No longe.

Só restava o silêncio.
E eu.
Abraçada a quantos sonhos
Enchiam a nossa vida
A todas as esperanças
Que norteiam o olhar
E aquele amor
Que não tem tempo.

Havias partido
Sem sequer te despedires
No comboio do infinito.

Só restava o silêncio.

quinta-feira, abril 16, 2015

A MINHA TERRA


A terra onde nasci
A terra de onde eu parti
Num sonho de amor presente
Não é perto
Nem é longe
É do tamanho do mundo
Vai e vem
Num só segundo
O bater do coração
Num embalar de canção.

Está no mapa
Do olhar
De quem parte
E vai voltar.
Está na frescura das fontes
No outro lado dos montes
Entre amendoeiras em flor
Abraçadas ao sol-por.

A minha Terra
Fica ali
Fica aqui
Onde estiver.
A mesma
Igual
Sempre à espera.
Numa eterna primavera.


quinta-feira, março 19, 2015

Dia do Pai

Hoje
Porque é Dia do Pai
Falei ao meu pai dos desertos que teimam adensar a nossa vida.
Desertos que temos que atravessar e nos rasgam o olhar, enchem de solidão e amargo muitos dos nossos dias.
Falei ao meu pai. Como falo das alegrias e esperanças. Aventuras e sonhos.
Do outro lado da vida o meu pai,quase em segredo, disse:«- Ainda bem que acontecem desertos. Se não acontecessem como poderias encontrar e valorizar os oásis?Como poderias saciar a sede?
Há tantos oásis na tua vida! Afectos, recordações, amor... muito amor.Presenças, ausências, saudade.
São apenas oásis no deserto.

segunda-feira, fevereiro 09, 2015

POEMAS DE AMOR PRESENTE

Chegou a hora
Meu Amor
É tempo de avançar
Longe
Ou perto
Que importa
A Estrela Polar
Se há tanto céu
No nosso olhar.

Os passos incertos
No andar?
O coração tem asas
Podemos voar.

E os sulcos
Que mancham o rosto?
São apenas
As ondas do mar
Ao sol posto.

As mãos deformadas
De tanto abraçar?
São só os abraços
Que estão para dar.

Os cabelos brancos
São uma quimera?
Na neve do inverno
Brota a primavera.

Vamos
Meu Amor
Em busca do destino.
Deixa que os girassóis
Enfeitem o caminho.